MM
Só nos tornamos verdadeiramente adultos quando perdemos o medo de errar. Não somos apenas a soma das nossas escolhas, mas também das nossas renúncias. Crescer é tomar decisões e, depois, conviver pacificamente com a dúvida. Adolescentes prorrogam suas escolhas porque querem ter certeza absoluta – errar lhes parece a morte. Adultos sabem que nunca terão certeza absoluta de nada, e sabem também que só a morte física é definitiva. Já “morreram” diante de fracassos e frustrações, e voltaram pra vida. Ao entender que é normal morrer várias vezes numa única existência, perdemos o medo – e finalmente crescemos.
Martha Medeiros. (via romantizado)
Vergonha? Senti poucas vezes na vida, quando não me reconheci dentro da própria pele. Mas estando em mim, sob qualquer circunstância, jamais estarei só.
Martha Medeiros
Crescer custa, demora, esfola, mas compensa. É uma vitória secreta, sem testemunhas. O adversário somos nós mesmos.
Martha Medeiros.  (via romantismos)
Por favor. Onde encontro o texto original da crônica "A Morte Devagar" de Martha Medeiros, de novembro de 2000. Já encontrei incontáveis versões.
Anonymous

Olá!
Neste link você encontrará a publicação original da crônica no jornal Zero Hora em 2000:

http://zerohora.rbsdirect.com.br/pdf/5736234.pdf

E aqui um artigo contando como tal texto foi mal atribuído a Pablo Neruda:

http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/noticia/2009/01/martha-medeiros-e-autora-de-poema-atribuido-a-neruda-2366566.html

Desaprender para aprender. Deletar para escrever em cima. Houve um tempo em que eu pensava que, para isso, seria preciso nascer de novo, mas hoje sei que dá pra renascer várias vezes nesta mesma vida. Basta desaprender o receio de mudar.
Martha Medeiros.   (via involuntus)
Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável. Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato, amar sem almejar o eterno. Olhe para o relógio: hora de acordar. É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza, instiga e conduz, mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um game onde só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas desta tal competitividade. Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as regras, demita-se. Invente seu próprio jogo.
Martha Medeiros  (via doistonsdeamor)
Uma amiga me mandou um e-mail dizendo que vai passar, tudo passa, e me convida para um drinque no final da tarde de amanhã, eu sei que não vou, mas não respondi ao e-mail. Amanhã eu respondo. Vai passar? Já passou, querida, já passou. Meu problema é o que ficou.
Martha Medeiros.   (via involuntus)
O amor que nos serve e que nos faz evoluir é aquele que traz à tona a nossa melhor versão.
Martha Medeiros
- Cachorro-quente.

- Na esteira de bagagens do aeroporto, sua mala estar entre as primeiras a aparecer.

- Receber notícias de um amigo de que você gosta muito e que andava sumido.

- Ter recebido de presente a série inteira de Mad Men para assistir atirada no sofá.

- Numa loja de CDs usados, por um preço irrisório, encontrar discos de Keith Jarret, Tom Waits, Chet Baker e Miles Davis que você já teve em vinil e estupidamente se desfez.

- Livros. Encantar-se por um autor que você não conhecia.

- Num restaurante com os amigos, a última rodada ser brinde da casa.

- Dentro do cinema, não haver ninguém conversando e fazendo barulho com papel de bala e saco de pipoca.

- Revistas TPM, Lola, Bravo, Elle, Vogue, Joyce Pascowitch – revistas de moda, cultura, entretenimento e decoração são sempre um luxo acessível, uma fantasia necessária.



- Lareira.

- Sair bem na foto.

- Passar um fim de semana no Rio.

- Um bom programa de entrevistas na tevê.

- Uma consulta altamente proveitosa na terapia.

- Flores, folhagens, jardins, árvores, montanha.

- Acertarem no presente.

- Taxista que não corre.

- Prazos de validade bem visíveis nos produtos perecíveis.

- Banho quente. Sem pressa pra sair.

- Declaração de amor de filho.

- Declaração de amor do seu amor.

- Conversar longamente com sua melhor amiga. Tomando um vinho tinto, melhor ainda.

- Alguém encontrou e devolveu a carteira que você havia perdido com todos os documentos dentro.

- Barulho de chuva antes de dormir.

- Dia de sol ao acordar.

- Massagem.

- Receber um elogio profissional de alguém que você admira muito.

- Subir na balança e descobrir que emagreceu.

- Check-up que não acusa nenhum distúrbio de saúde.

- Lembrar detalhes de um sonho bom.

- A vibrante pulsação de um show ao vivo.

- Biografias bem escritas de personalidades interessantes.

- Praia com mar de cartão postal.

- Festa boa.

- A luz voltar.

- Um dinheiro extra que você não estava esperando.

- Beijo.

- Sair do dentista ouvindo a recomendação de voltar só dali a um ano.

- Uma noite bem dormida.

- Ter concluído satisfatoriamente todas as pendências da semana.

- Seu time fazer o gol decisivo no último minuto do jogo – é preciso sofrer um pouquinho na vida.

- Coca-Cola. Bombom. Pão com manteiga. Queijo.

- Chorar de rir.

- Quitar uma dívida.

- Rever as obras de um pintor de que você gosta muito.

- Seu cachorro de estimação. Seu gato aninhado em seu colo.

- Identificar suas próprias pequenas felicidades e, mesmo nem tudo dando certo, gostar da vida que leva.”


Martha Medeiros, 22/07/2012
- Cachorro-quente.
- Na esteira de bagagens do aeroporto, sua mala estar entre as primeiras a aparecer.
- Receber notícias de um amigo de que você gosta muito e que andava sumido.
- Ter recebido de presente a série inteira de Mad Men para assistir atirada no sofá.
- Numa loja de CDs usados, por um preço irrisório, encontrar discos de Keith Jarret, Tom Waits, Chet Baker e Miles Davis que você já teve em vinil e estupidamente se desfez.
- Livros. Encantar-se por um autor que você não conhecia.
- Num restaurante com os amigos, a última rodada ser brinde da casa.
- Dentro do cinema, não haver ninguém conversando e fazendo barulho com papel de bala e saco de pipoca.
- Revistas TPM, Lola, Bravo, Elle, Vogue, Joyce Pascowitch – revistas de moda, cultura, entretenimento e decoração são sempre um luxo acessível, uma fantasia necessária.
- Lareira.
- Sair bem na foto.
- Passar um fim de semana no Rio.
- Um bom programa de entrevistas na tevê.
- Uma consulta altamente proveitosa na terapia.
- Flores, folhagens, jardins, árvores, montanha.
- Acertarem no presente.
- Taxista que não corre.
- Prazos de validade bem visíveis nos produtos perecíveis.
- Banho quente. Sem pressa pra sair.
- Declaração de amor de filho.
- Declaração de amor do seu amor.
- Conversar longamente com sua melhor amiga. Tomando um vinho tinto, melhor ainda.
- Alguém encontrou e devolveu a carteira que você havia perdido com todos os documentos dentro.
- Barulho de chuva antes de dormir.
- Dia de sol ao acordar.
- Massagem.
- Receber um elogio profissional de alguém que você admira muito.
- Subir na balança e descobrir que emagreceu.
- Check-up que não acusa nenhum distúrbio de saúde.
- Lembrar detalhes de um sonho bom.
- A vibrante pulsação de um show ao vivo.
- Biografias bem escritas de personalidades interessantes.
- Praia com mar de cartão postal.
- Festa boa.
- A luz voltar.
- Um dinheiro extra que você não estava esperando.
- Beijo.
- Sair do dentista ouvindo a recomendação de voltar só dali a um ano.
- Uma noite bem dormida.
- Ter concluído satisfatoriamente todas as pendências da semana.
- Seu time fazer o gol decisivo no último minuto do jogo – é preciso sofrer um pouquinho na vida.
- Coca-Cola. Bombom. Pão com manteiga. Queijo.
- Chorar de rir.
- Quitar uma dívida.
- Rever as obras de um pintor de que você gosta muito.
- Seu cachorro de estimação. Seu gato aninhado em seu colo.
- Identificar suas próprias pequenas felicidades e, mesmo nem tudo dando certo, gostar da vida que leva.”
Martha Medeiros, 22/07/2012
 
"Deixar de esperar é uma libertação."
"O excesso de expectativas é o caminho mais curto para a frustração."
(Martha Medeiros)

 

"Deixar de esperar é uma libertação."

"O excesso de expectativas é o caminho mais curto para a frustração."

(Martha Medeiros)